Receita: crepe francês

Receita: crepe francês

Oi, gente!

Adoro nossos posts com receitas! É que eu adoro cozinhar coisas diferentes (qualquer coisa que não seja arroz, feijão e carne). Mas pra mim receita tem que ser prática, se não desanimo. Você também é assim?

A receita de hoje é um crepe francês que encontrei no livro “Como ser uma parisiense – em qualquer lugar do mundo” (Sophie Mas, Audrey Diwan, Caroline de Maigret e Anne Berest). Tem mais receitas bacanas nele, da maionese à sobremesa, tudo típico da França, especialmente de Paris. Vou contar um segredo pra você: meu sonho é morar em Paris. <3 Mudar de mala e cuia e passar a vida tomando café nos bistrozinhos pelo caminho (porque sonhar faz bem!). Enquanto isso não acontece, vou comprando todos os livros e filmes que encontro pela frente sobre o assunto. haha

como ser uma parisiense

O crepe francês é aquele fininho tipo panqueca (eu ainda não fiz panqueca, mas minha mãe disse que os ingredientes também são parecidos com os da panqueca, com a diferença de que esse crepe não vai pro liquidificador e ele tem que ser beeem fininho, mesmo, se não fica borrachudo).
Fiz a massa ontem (sábado) e usei só um pouco; deixei o restante na geladeira pra ver como ela estaria no dia seguinte (no caso, hoje). E estava ótima! A família toda comeu e adorou! (responsa cozinhar pra vó, né? Sacanagem! Sorte minha que ela aprovou).

Ingredientes

  • 250 g de farinha de trigo peneirada
  • 3 ovos
  • 1 col. (sopa) de óleo (não pode ser azeite)
  • 3 col. (sopa) de açúcar
  • 1 pitada de sal
  • 2 col. (sopa) de água
  • 1/2 litro de leite
  • 1/2 copo de cerveja

O preparo é bem simples: é só misturar todos os ingredientes MENOS o leite e a cerveja, que vão por último. O leite deve ser acrescentado aos poucos, até a massa ficar homogênea. Não sei se eu fiz alguma coisa errada, mas tive a impressão de que foi difícil de dissolver a massa no leite… Precisei mexer bastante até que deu certo (e usei só 400 ml do leite). Só então acrescentei a cerveja e mexi mais um pouco.

A massa fica bem líquida e precisa descansar por pelo menos 1 hora antes de fazer os crepes (eu deixei fora da geladeira e deu tudo certo).

crepe frances (2)

Pra fritar: unte uma frigideira com um fio de óleo, deixe o fundo ficar bem quente e coloque uma concha rasa da massa na frigideira. Não adianta lotar a concha, porque o crepe é gostoso fininho. Deixe durante um minuto de um lado, então vire o crepe pra ficar mais um minuto do outro lado. Ele tem que ficar moreninho.

DESAFIO: não vire o crepe com a espátula. Jogue-o pra cima. Eu fiz, gente. Se eu consegui, você também consegue. Truque: com a espátula, solte as laterais do crepe e deixe-o na pontinha da frigideira. Vai ficar mais fácil de acertar.

A massa fica bem leve e você pode servir com vários recheios diferentes (eu comi de 4 sabores diferentes… só no primeiro dia. Hoje comi de outro sabor. #gordinhafeelings – pensando em uma desculpa pra nutricionista em 3, 2, 1… ).
Recheios usados por mim: mussarela, mussarela + salada de tomate com pepino, Nutella, sorvete de creme + geleia de framboesa, mussarela + chocolate. Todos ficaram muuuito gostosos, mas eu achei que no de Nutella faltou alguma coisa crocante pra dar volume na mordida, tipo nozes ou alguma fruta.

crepe frances (1)

A montagem também fiz de 3 jeitos diferentes: na foto de cima, coloquei a bola de sorvete sobre o crepe aberto; na com o recheio de mussarela, só dobrei o crepe ao meio; hoje, com a de chocolate, enrolei tipo panqueca. Dá pra soltar a criatividade!

Ah, e você não esqueça de me mandar a foto do seu crepe, tá? Pode ser pela fan page, por email (minhacasaminhalida@gmail.com), pelo Facebook, me marcar no Instagram (@marianagatzk)… Quero saber como ficou! E também quero receber suas dicas. Se você já testou essa receita, se conhece outra melhor, se tem algum ingrediente secreto cuja hora da revelação chegou… Me conta tudo!

Até a próxima,
Mariana.

Acompanhe: Facebook | Pinterest | Instagram

Organize {1}: vamos começar?

Organize {1}: vamos começar?

Oi, gente!

Cá estou eu nessa noite de sexta-feira 13, em plena véspera de valentine’s day (e sem meu “valentine” por perto), após tomar umas taças de vinho, curtindo Jorge & Mateus #cadaumcomasuamarchinha (ah, o lado negro… por que fui inventar de falar mais sobre mim, mesmo?).
Como conversamos no post passado, daqui pra frente vamos falar bastante sobre ORGANIZAÇÃO aqui no MCML. Decoração e receitas também estão na pauta, mas são temas que entrarão pra descontrair, pra nos inspirar, tipo matéria optativa, sabe? Enquanto que a organização vai ser matéria obrigatória – e eu quero ver todo mundo trabalhando comigo. Sem desculpas!

organização casa (1)

Antes de começarmos, quero saber de você: pensei em dividirmos os posts por espaços da casa (hall de entrada, cozinha, sala, closet, banheiro, quarto, home office…). O que você acha? Deixe sua sugestão nos comentários. E também diga por qual espaço você acha melhor começarmos.

Se você procurar por aí vai encontrar mil regras sobre a organização da casa. E talvez você ache um pouco estranho eu dizer que pra mim elas não funcionam. Sabe por quê? Eu não acredito em nada que é generalizado. O que funciona pra mim pode não funcionar pra você. E é por isso que a organização se faz a cada dia, de acordo com os moradores e frequentadores da casa. É questão de adaptação.
Vou citar um exemplo que a Tati Godoy deu no curso de Personal Organizer que fiz: é preferível que se guarde os sapatos na parte de baixo do armário pra evitar que eles soltem sujeiras sobre as roupas. Certo? Sim, parece até óbvio pensando por esse lado. Mas acontece que nem todo armário é igual e que nem todas as pessoas podem ficar se abaixando cada vez que vão pegar um calçado (quem sofre de dores nas costas, pessoas mais idosas, com problemas de tontura…).
É um exemplo básico pra mostrar como nem sempre as regras funcionam. Em 100% dos casos é fundamental adaptar as “regras” à sua realidade. E essa é a parte mais difícil (e a que eu mais gosto. <3). Portanto, antes de eu dizer qualquer coisa sobre o que você deve fazer, temos que considerar a sua vida, a sua realidade.
Pra isso, leia as considerações abaixo, pense aí na sua casa, escreva num papel as suas expectativas diante delas, depois pense de novo e veja se o que você escreveu é verdadeiro:

  1. Você mora com quem? Se sozinha, OK, é você quem manda. Se você divide o teto, aí vai a consideração nº 2:
  2. As pessoas que moram com você estão cientes da sua vontade de mudar as coisas? O que elas acham disso? Elas estão dispostas a colaborar e a participar da organização? Porque, gente, ninguém faz nada sozinho. Se você decidir que vai por ordem na casa e a outra pessoa não fizer nada ou ~pior~ te atrapalhar, você vai esquentar a cabeça, se irritar e sabe Deus onde isso chegará. Então converse com o pessoal e explique a importância que isso tem pra você e o quanto isso será útil pra eles (afinal, não se trata de uma atitude egoísta, certo?).
  3. Você vai ter que se desapegar de MUITA coisa. MUITA! Você vai dar adeus àquelas coisas sem sentido que só ocupam espaço no armário, que acumulam energia, que te impedem de seguir em frente. Na hora de se desligar vai ser difícil, mas depois vai valer tanto a pena que você vai se perguntar porque não fez isso antes. Acredite!
  4. Última coisa importantíssima da nossa lista de preparação: faça uma playlist bem bacana, carregue o celular, coloque-o no modo avião e separe os fones de ouvido. Arrumar a casa consome energia e você precisa estar concentrada (ou seja, esquece o barulho de fora, a conversa alheia, as ligações e o Whatsapp. FOCO!). Ah, e também já deixe separada a garrafinha d’água pra você não vir com a desculpa de que vai só ali se hidratar e já volta, viu?

Organizar dá trabalho, exige tempo e uma disciplina gigante. Você tá disposta? Vamos lá, eu acredito em você! Confie você também. VAI DAR CERTO!!! Nós vamos fazer juntas e você vai ter todo o incentivo pra seguir em frente. Vai ter rinite, é claro, dores nas costas, vai suar, mas quem não quer suar? Emagrece! Além de deixar a sua vida mais leve também. Além disso [2] você vai encontrar solução bacanérrimas pra sua casa, tipo essa:

organização casa (2)

Vale a pena! Te garanto!

E é assim que a gente começa o nosso intensivo de organização da casa. O post de hoje pode parecer um pouco assustador, mas não tem nada disso. É que organizar é uma decisão consciente. É diferente de arrumar o armário, de voltar do mercado e guardar a compra, de colocar os livros em ordem alfabética de acordo com o sobrenome do autor. Mas vai dar certo! Com o tempo você pega o jeito e vai acabar se divertindo muito. Quem sabe até não rola um bazar com as peças do desapego? Ia ser bacana. Podemos criar um grupo no Facebook e trocar as peças. :D

Espero não ter te assustado nem te desanimado. E pra provar que eu sou bem boazinha, já vou dar um feriadão de folga. Ó que bacana! haha Curta bastante o carnaval, que semana que vem começa o pega! (espia lá no Instagram como tá animado o meu carnaval. #sqn).

ah, e só pra constar: Jorge & Mateus deu espaço a Imagine Dragons. Viva o modo aleatório!

Até a próxima! Com muito ânimo e alegria por receber você aqui. :)
Mariana

Acompanhe: Facebook | Pinterest | Instagram